terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Here we go again.

Oi gente!
Hoje é o ultimo dia do ano e eu não podia deixar de fazer o clássico post de retrospectiva. Este ano resolvi fazer diferente, ao envés de escrever por tópicos, meses, conquistas, derrotas entre outras coisas, resolvi fazer um texto só que resuma todos os meus sentimentos.

2013
Neste ano que passou eu fiquei muito entediada e por meses desejei que as aulas começassem e acabassem comigo. Eu queria contas, eu queria muita química, física e biologia, estava sedenta por conhecimento e a adrenalina que corre pelo corpo em época de prova, trabalho, conteúdo novo. E a faculdade realmente fez isso comigo, tirou meu couro, rs.
Eu me afastei dos meus amigos um pouco, não por não querer eles por perto, mas por necessidade de tempo pra mim, tempo para novas amizades. Eu precisei de muito tempo e eu não tive quase nada. Eu senti falta de tanta gente, de tantos abraços, de tudo e de todos.
Eu fiz 20 anos e eu me sinto com 100. Minha cabeça está velha, sem paciência e sensível. Eu chorei demais, mas mais do que isso, eu ri demais, eu sorri feito uma boba, eu fui feita de boba, eu gritei, eu bebi (até demais), eu li, eu escrevi pouco, mas quando necessário, eu olhei mil filmes, eu falei demais e me calei por muitas vezes, eu tive vergonha e fui extrovertida, eu dancei ao som de musicas loucas e quando não havia nenhum som por perto. Nesse ano eu dancei. E como dancei.
Eu, eu e eu, nesse ano eu me amei. De verdade e de todas as formas. Eu aprendi a amar cada pedaço de mim e aprendi a me entender. Eu me perdoei, eu me quis e eu tive a mim, e somente a mim, grande parte do tempo.
O ano inteiro foi maravilhoso, mas termina de forma duvidosa, com noites e manhãs chorosas. Está acabando não do jeito que eu queria, mas do jeito que dá. 2013 começou e eu adorava vírgulas e reticências, hoje eu desejo mais pontos, sejam eles de exclamação, interrogação ou o tão temido, porém necessário, ponto final.
Meus votos para 2014 foram feitos nessa madrugada, confesso que é uma lista grande e que muitos dos itens da lista estiveram em outros anos em outras listas, mas os fracassos passados não são desculpa para deixar estes desejos de lado, muito pelo contrário, eu tenho o sentimento e convicção de que "Este ano vai dar certo!", "Este ano vai ser diferente!", "2014 vai (ou, tem que) ser melhor!".
E pra vocês, pessoas que me leem desde os primórdios deste blog, só tenho a agradecer pelo carinho, amizade e compreensão. Desejo-lhes um ano repleto de sonhos realizados, amores correspondidos, amizades verdadeiras e sorrisos espontâneos. Obrigada!

Feliz 2014!

XX, abbatuamente.

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

12 Fracassos Não Tão Fracassados!

Olá, pessoas!
É a terceira vez que começo o mesmo post porque ainda não decidi sobre o que escrever.
Acho que aqui anda depressivo e reflexivo demais e já que vocês adoram rir da minha desgraça, hoje falarei dos planos que não consegui cumprir neste recesso (Pra quem não sabe, tive pequenas "férias" de dez dias que terminam segunda-feira ''/).
Eu ainda tenho tempo de fazer algumas destas coisas, mas duvido muito que eu consiga, pois peguei um resfriado/gripe e fico meio que sem vontade de nada.
Mas enfim, eis aqui;

12 Fracassos Não Tão Fracassados!
1º Fracasso: Manter o quarto arrumado. Sim, pessoal! Eu, Fernanda de Lima, a pessoa mais organizada e perfeccionista deste mundo, não consegui manter o quarto arrumado por nem sequer um dia. Outro dia Dani dormiu aqui em casa e, sinceramente, devo um milhão de desculpas pela situação em que o quarto se encontrava. Só não mando fotos porque né, os textos já não são lá essas coisas e eu ainda vou colocar fotos cagadas? Não dá pra querer.
2º Fracasso: Arrumar o guarda-roupas. Pois é, queridos. Não só o quarto está uma bagunça, como também o guarda-roupas também! E está em estado crítico... "Nossa, Fernanda, vai arrumar isso daí" MINHA FILHA, NÃO VAI ROLAR, SABE. Eu estou gripada e apesar de já estar me recuperando, provavelmente vai ficar assim porque sim.
3º Fracasso: Fazer uma Maratona de Star Wars. Não foi bem um fracasso porque foi divertido, mas o fato é que não conseguimos olhar todos os filmes, apenas os três primeiros. Então, vamos considerar um fracasso no sentido de não cumprir o objetivo inicial.
4º Fracasso: Lixar e pintar as unhas de uma cor legal. Não só não pintei, como também arranquei uma unha fora sem querer, o fato é que vocês sabem do meu histórico de amnésia e eu não lembro como fiz isso e nenhum dos meus amigos que estavam presente lembram, então será um eterno mistério. Fiquei sem conseguir movimentar a mão esquerda por uns 3 dias, mas não posso dizer que foi uma experiência inútil porque aprendi a cortar, segurar copos, me vestir e fazer mil coisas sem usar o dedão e até usando apenas uma das mãos, foi realmente enriquecedor! O que não foi legal mesmo, foi eu ter cortado todas as outras unhas pra ficar igual e estou parecendo uma cortadora de cana (nada contra).
5º Fracasso: Repaginar meu quarto. Pois é, voltamos ao meu quarto, pra variar. O objetivo era ocupar o tempo livre para pintar meu quarto (Pra quem não lembra, eu sou uma "ótima" pintora. Lembram disso?) e redecorar todo ele. Eis aqui as minhas ideias: Apagar a frase "Happiness Only Real When Shared" da parede da minha cama (Na verdade, eu tentei apagar, mas não saiu) e reescrevê-la em cima do meu mural de fotos. No lugar da frase, eu escreveria um texto do Charles Chaplin ou algum outro texto do meu caderno de frases. Colar todos os discos de vinil que caíram da parede (eram 12, mas só restaram 6 colados). Colar as duas estrelas que faltam no teto (Pra quem não lembra, eu colo uma pra cada ano de idade que eu tenho). Fazer algum trabalho de colagem (estilo da que tem na minha porta) em toda minha cama. Pegar meus all-stars velhos e furados (que infelizmente não posso mais usar porque fico com o pé no chão) e fazer eles de decoração, marcando pegadas até o teto. Por falar em teto, faria um caminho de fones de ouvido até a luz, como espermatozoides tentando fecundar um óvulo. E assim por diante. Sim, eu sei que é exagero, mas quando eu começo algo, uma ideia puxa a outra e eu não consigo parar, é um carma na minha vida.
6º Fracasso: Sair com meus amigos do Ensino Médio. Já falei que estou gripada, né? Então, acho que nem preciso dizer que só fiquei deitada a semana toda com muito ranho verde escorrendo pelo nariz. Super sexy.
7º Fracasso: Fazer uma leve revisão na matéria do próximo semestre. Não foi desta vez que eu consegui ser super nerd e fazer isso. Mas ainda tenho mais vááários outros semestres pra tentar.
8º Fracasso: Olhar todas as séries que estavam em atraso. Eu olho mil séries e estão quase todas em atraso para olhar e eu só consegui assistir The Walking Dead e alguns episódios de Grey's Anatomy, The X Factor e How I Met Your Mother. Tá foda viver nessa vida (gripada).
9º Fracasso: Fazer uma maratona com todos os filmes do Alfred Hitchcock. É, não rolou. E eu nem preciso explicar.
10º Fracasso: Ser uma pessoa saudável. Saudável e Fernanda são duas coisas que não combinam e eu continuo vivendo a vida da Celina gorda escrota. Acontece.
11º Fracasso: Fazer o ENEM. Tudo começou bem, eu fiz o primeiro dia, mas daí eu fui na maratona divertida de Star Wars, perdi a unha, bebi demais (não exatamente nesta mesma ordem) e acabei voltando pra casa algum horário que eu não lembro, mas só sei que tinha sol. E então não houve jeito de me acordar (Dani bem que tentou) para o segundo dia.
12º Fracasso: Fazer um post decente aqui. E podemos confirmar agora: Eu fracassei nisso também!

Bom pessoal, é isso. Esses foram meus fracassos, mas, brincadeiras a parte, posso garantir que eu curti e estou curtindo meu recesso.
"Mas como, Fernanda?
Ah, gente, vocês sabem que eu não sou a pessoa mais normal do mundo, vejo lado bom em tudo e ainda por cima não considero essas coisas grandes fracassos porque, WHATEVER, eu me diverti demais.

Deixo vocês com uma foto das novas membros da família, eis que as achamos na rua em uma caixa e as trouxemos pra casa, pensamos em mil nomes, mas minha irmã deu a ideia de ser nomes que lembram nossa infância, ou seja, Mei e Satsuki porque passamos nossa infância toda assistindo Totoro e esses eram os nomes das irmãs que eram as personagens principais *-*-*

Mei (Caramelo) e Satsuki (Preta).
Lindas demais, né?
XX, 
abbatuamente.

sábado, 7 de setembro de 2013

So, so you think you can tell, Heaven from Hell ♪

Título: Wish You Were Here - Pink Floyd
Estamos aqui reunidos mais uma vez para celebrar um novo post... Não.

Oi, gente!
Como vocês devem ter percebido o blog está bem abandonado e praticamente jogado às traças, mas nós superamos.
Eu tenho tantas coisas e experiências para dividir aqui, mas falta tempo nessa minha vida então hoje postarei mais um daqueles textos que ninguém entende direito e que eu tanto adoro.

"Se existe algo no mundo que eu mais gosto de fazer, é sem dúvidas pensar. Pensar em tudo, no meu dia, no meu futuro, mas mais do que isso, gosto de pensar no meu passado. Acho que nós só entendemos a vida olhando pro nosso passado e aprendendo com nossos erros e se orgulhando do caminho já percorrido. E eu me orgulho. Tanto que chega a irritar as pessoas.
Eu sei que a maioria das pessoas ouvem musica a todo volume quando estão sozinhas em casa, mas eu prefiro aproveitar as poucas horas de silêncio. É tanta gritaria, TV alta, telefone chamando, microondas apitando, portas batendo e musicas ruins tocando, que quando estou sozinha tudo que eu mais quero é paz. Paz pra poder pensar na minha vida, sonhar com o possível e imaginar aquelas coisas que talvez fiquem pra sempre só na minha cabeça. Sabe, dar uma folga nos meus ouvidos pra minha mente poder trabalhar.
Gosto de saber os defeitos das pessoas. Não para usá-los contra elas, mas sim para amar cada parte delas. Gosto que saibam meus defeitos e que eles pareçam pequenos perante minhas virtudes. Gosto de quando descobrem que eu sou toda errada e mesmo assim tento ser certa. Gosto de quem me vê da forma que eu sou e não da forma que querem que eu seja. Amo quando descobrem meus erros e conversam sobre os seus. E o fazem com um sorriso no rosto. Gosto de me adaptar às pessoas, de entendê-las, de confiar, de amar e de odiar da forma mais verdadeira. Gosto de sentimentos, de dor, de alegria e principalmente de empatia. É muito fácil citar qualidades, mas só aqueles que nos conhecem tem a capacidade de citar nossos defeitos."

Foi isso.
Meu aniversário é na próxima sexta-feira 13 (HOW COOL IS THAT? *-*-*) e talvez eu faça um post para comemorar meus 20 anos.
Beijos.

sábado, 13 de julho de 2013

Um post pra ela.

"- Minha mãe ficaria feliz de saber que uma neta minha está indo na missa de aniversário dela." - Disse minha avó a caminho da missa, quando eu tinha cerca de 10 anos.
"- Hoje ele acordou bem!" - Disse ela duas semanas antes do meu avô falecer.
"- Passou bem a noite?" - Pergunta ela toda vez que me vê.
"- Fiz pãozinho!" - Avisa ela com um gorro na cabeça e um sorriso acolhedor.
"- Vou orar pra que tu consiga..." - Anuncia ela toda vez que me vê saindo para algo importante.
"- Maaaaaarli" - E essa é ela chamando nosso cachorro que, diga-se de passagem, chama-se Bob Marley.
"- Quer ajuda?
- Não, deixa que eu faço." - E eis aqui um exemplo de que ela faz tudo sozinha.
"- Quer pra ti esse vestido?" - Pergunta ela alimentando minha paixão por roupas antigas.
"- Quer olhar o computador?" - Ela perguntando se eu quero usar a internet.
"- Tá ruim minha comida, tu não comeu quase nada." - Comenta ela após eu ter comido uma tonelada de comida, o que não é suficiente pra ela.
"- Vi uma matéria sobre matozóides.
- Matozóides?
- Sim, aquela coisa dos homens." - Ela conversando com a minha irmã sobre uma matéria que falava de "espermatozóides".
Poderia ficar uma vida toda citando frases dela. Uma das mulheres mais importantes pra mim. Um exemplo de bondade, amiga, mãe e principalmente, avó. 


Te amo, vó Jurandi.





oooi, seus lindos.
Minhas aulas começaram e eu estava sem tempo e sem inspiração. Pode ser que o post de hoje não tenha sido significativo pra vocês, mas foi pra mim.
Prometo escrever com mais frequência e tudo mais.

XX,
abbatuamente.

segunda-feira, 22 de abril de 2013

15 coisas que você nunca deve fazer ao reunir pessoas em casa.

Olá, voltchê!
Então, finalmente este é o post que deveria ter sido a dois posts atrás, mas não foi. q
Problemas a parte, vamos para nossa lista de hoje: 15 coisas que você nunca deve fazer ao reunir pessoas em casa.
Coisa n° 1: Jamais cozinhe. Peça um lanche ou sei lá, mas NÃO TENTE FAZER PIZZA JUNTO COM SEUS IRMÃOS E PRIMOS E SUA AMIGA ROSE.
Coisa n° 2: Siga a Coisa n° 1 a risca, não pense que só porque vocês tem uma panificadora vocês podem fazer as massas das pizzas vocês mesmos porque vocês podem colocar muito fermento e tem 80% de chances das massas ficarem com gosto de sola de sapato (Não que eu já tenha provado uma sola de sapato, mas se eu tivesse provado teria esse gosto).
Coisa n° 3: Nunca negue uma dica do seu primo Cassiano, O SÁBIO. Quando ele disser que é mais prático comprar sorvete e comprar a pizza, aceite. Não pense que é melhor fazer não só as pizzas, mas também a sobremesa.
Coisa n° 4: Se o queijo acabar, não faça uma pizza doce. Se você misturar nescau, doce de leite e leite, não vai ficar bom e a pizza não vai ficar comestível.
Coisa n° 5: Não conte com a ajuda da amiga Rose se a sua mãe estiver em casa. Sua mãe pode chegar e dizer que sua amiga Rose não sabe lavar louça e sua amiga Rose vai ficar depressiva.
Coisa n° 6: Nunca peça ajuda para o seu primo Matheus. Ele vai cortar o tomate igual a cara dele e você terá que cortar tudo de novo, deixe ele jogando play na sala com o seu irmão Lauro e com seu primo Cassiano, O SÁBIO.
Coisa n° 7: Nunca espere pelo seu primo João Antônio para começar as pizzas. Você vai marcar às 18:00 e ele vai chegar às 22:00. Caso você esperar por ele, faça com que ele faça tudo para todo mundo como forma de vingança. Oferecimento, minha irmã Amanda.
Coisa n° 8: NUNCA tente fazer uma nega maluca (bolo de chocolate) se você nunca fez sozinha antes. O bolo pode abatumar o recheio e cobertura podem ficar moles e todo mundo pode querer roubar os bis e os M&Ms dela.
Coisa n° 9: Não bebam. Isso pode resultar num trabalho ainda pior, digamos que vocês podem querer deitar no chão, ou quem sabe tacar farinha em toda cozinha ou até comparar a sobremesa com um pacman comendo maionese.
Coisa n° 10: Nunca deixe pra limpar a cozinha de madrugada. Você vai demorar no mínimo 1 hora e uma vez que você começa a limpar, você nunca mais quer parar. E digamos que se você bebeu, você vai tomar banho e se jogar no chão do quarto.
Coisa n° 11: Jamais dê a ideia de não dormir. Digamos que seus primos (Cassiano, O SÁBIO; Matheus, O MAL CORTADOR DE TOMATE) e seu irmão (Lauro, O MENINO QUE SAI PRA COMPRAR AS COISAS QUE NÓS ESQUECEMOS) ficarão "de boa" jogando play na sala, mas você, sua irmã (Amanda, A TORTURADORA QUE PAGOU POR QUASE TUDO), sua amiga (Rose, AMIGA QUE TEM MEDO DE LAVAR A LOUÇA) e seu primo (João Antônio, O PRIMO QUE CHEGOU ATRASADO E AINDA POR CIMA NÃO DEIXOU NINGUÉM DORMIR MOSTRANDO VÍDEOS IDIOTAS E FALANDO COISAS COMO "ACHO QUE A GENTE DEVIA IR LÁ PRA FORA PRA VER JAPONESES CAGANDO UNS NOS OUTROS"), vão ficar deitados, bêbados, morrendo de tédio e vendo vídeos muito idiotas.
Coisa n° 12: Não joguem futebol na rua às 07:00. Tipo, você não vai jogar, nem sua irmã e nem a amiga Rose, e os meninos? Bem, os meninos vão só ficar passando a bola enquanto desviam dos buracos da rua feitos pela companhia de tratamento de água e de esgoto da cidade.
Coisa n° 13: Não se arrumem para ir ver o jogo. É um desperdício, pois o resto estará de pijama.
Coisa n° 14: Nem pensem em comprar mais bebida às 8:00. Motivo? Vocês não querem mais beber e vocês não vão mais beber.
E finalmente a Coisa n° 15: Não façam um post gigante no seu blog contando tudo nas entre linhas. Motivo? Ninguém quer saber.

hihi, beijos, eu.

P.S.: Pode ser que tenha sido a maior sujeira, maior gasto, maior trabalho, maior ressaca, mas foi a melhor junção que eu fiz com a minha família.
E a amiga Rose, é claro.

Eis aqui algumas fotos. (ALGUMAS porque só Deus sabe quantas tem e o quão horríveis estão)


 Tentando deixar a massa redonda.
Primeira massa (o formato não melhorou muito nas outras tentativas)
Amiga Rose depressiva se escondendo da minha mãe.
Interior da sobremesa que deu errado, mas ficou boa dimóis.
4 pizzas prontas às 23:00. (Fizemos 10, nem preciso dizer que comemos tarde)
Organização e limpeza, kdkd
Minha pizza doce, foi pro lixo assim mesmo.
A sobremesa pacman

quarta-feira, 27 de março de 2013

Surpresa!

Oi, queridos.
Vou confessar que eu ando depressiva ultimamente. Pois é, eu fico o dia todo dormindo ou olhando alguma coisa na tv, e claro, comendo muito. E vocês podem pensar "Quem sabe se tu dormisse à noite, tu não dormisse durante o dia", mas eis um segredo: Eu não consigo dormir. Eu apenas deito e fico pensando, já tentei não pensar, mas não adianta porque de qualquer forma eu fico apenas lá deitada sem pensar em nada e sem dormir também. E então quando eu consigo pegar no sono, já é tão tarde que é cedo. E por mais que eu não durma durante o dia (Que é o que eu venho tentando faz tempo), nada de dormir de noite também.  E aí são dias e noites sem dormir, o que é uma tortura.
Mas enfim, eu não vim aqui hoje as 05:32 para falar da minha insônia ou sei lá o que isso pode ser, vim aqui pra falar de um filme que eu acabo de assistir: "O Caçador de Pipas". Tenho certeza que já mencionei o livro aqui, mas essa noite eu resolvi olhar o filme. E tudo bem, se você é um leitor, você sabe que filmes sempre nos decepcionam comparados aos livros. Só que esse filme não me decepcionou. Ele foi diferente. Eu imaginei uma coisa no livro e então no filme era outra, mas ao mesmo tempo foi como se não existisse maneira mais perfeita de representar aquelas páginas em uma tela. Eu amei e eu vim aqui pra isso, pra dizer que, às vezes, esperar o pior ou não criar grandes expectativas, é uma ótima maneira de se surpreender.
Eu, particularmente, vivo criando expectativas sobre o futuro ou sobre como as coisas serão daqui a alguns anos ou alguns dias, quem sabe até horas, eu planejo tudo, eu tento adivinhar tudo porque eu odeio surpresas, porque as surpresas que eu conheço nunca foram felizes pra mim, porque quando algo é surpresa, quer dizer que alguém mentiu para que continuasse sendo uma surpresa. E eu sei que é um péssimo pensamento, eu apenas não consigo evitar.
Porém, eu acredito que surpresas boas como a do filme, são as melhores, pois elas acontecem sem a interferência de ninguém, acontecem naturalmente. Sabe, toda vez que eu assisto a série "How I Met Your Mother", eu fico pensando: "Quando será que eu vou conhecer minha alma gêmea?" "Será que eu já conheci e não sei?" "E se eu não tiver ou não quiser uma alma gêmea?" "O que eu vou ser daqui pra frente?" "Eu vou realizar meus sonhos?" "Eu sei quais são meus sonhos?" E por aí vai.
Bem, acredito que esse post tenha tomado um rumo inesperado e estranho, isso é o que acontece quando postamos sem edição, rs. Enfim, deixarei uma lição que talvez não tenha nada a ver com esse texto enorme ou talvez tenha tudo a ver: Não adianta fazer perguntas sem buscar as respostas. Não adianta esperar coisas boas sem lutar por elas. E não importa o quanto você tente adivinhar seu futuro, você só saberá como é quando ele chegar.

Boa noite/ Bom dia, procês (:

quinta-feira, 21 de março de 2013

Voltchê!

Olá, queridos!
O post de hoje não era esse post, mas este está sendo postando hoje porque o post original vai ter que esperar. O fato é que ele não teria o mesmo sentido sem as fotos que eu tirei, mas no momento elas não estão comigo e eu estou esperando me darem elas.
Então, fuxiquei meu computador atrás de velhos textos ou qualquer coisa que eu nunca publiquei que possa ser aproveitado e não é que eu achei uma infinidade de coisas? Pois é, achei alguns textos e alguns dos meus livros infinitos, sabe, aqueles que eu tenho escrito desde sempre e tudo mais.
O fato é que lendo alguns poemas, eu percebi que meus poemas eram "pobres". Certa vez minha professora de Português comentou sobre a rima rica e a rima pobre, e pode crer, meus poemas são tão pobres que socorro, viu. Mas enquanto eu os lia, eu lembrava do que me levou a escrever aquelas palavras e no quanto eu não me importava com sonoridade daquilo, eu apenas queria colocar aqueles sentimentos pra fora de alguma maneira e escrevendo sempre foi a melhor forma.
Um dos poemas me chamou atenção porque eu não lembrava para quem eu havia escrito até chegar na metade e então foi difícil conter as lágrimas. São milhões de sentimentos e lembranças vindo a tona e o pior foi perceber que eu estava quase esquecendo alguém tão importante pra mim. Nós crescemos e perdemos contato com tanta gente boa, apenas por dizer demais ou não dizer mais nada. O fato é que eu percebi que eu o amava e que hoje eu não faço a mínima ideia de como voltar a ter contato com aquela pessoa tão especial pra mim. Acredito que parte do que eu sou hoje, eu devo a ele e eu estava prestes a esquecer disso. Acho que chorei mais por isso, por quase deixar passar, por permitir que o tempo arrancasse lembranças tão boas de mim, por eu mesma fazer isso comigo. Bom, por fim resolvi postar o poema aqui, ainda não sei o motivo pelo qual eu tomei esta decisão, mas eu me sinto segura em postar aqui essas pequenas partes e fraquezas que fazem de mim um ser humano errôneo e perfeitamente normal. Tudo isso porque, mesmo isso aqui sendo um local público, eu confio em quem "me" lê desde os primórdios deste blog e acredito que vocês merecem conhecer esses pedaços. O resto é o resto.

Suportar

Não suporto olhar pra você.
Mas você insiste em vir me ver.

Não suporto ouvir sua voz.
Mas você insiste em cantar.

Não suporto rir com você.
Mas você insiste em me tirar do sério.

Não suporto sua ajuda.
Mas você insiste em aparecer quando eu mais preciso dela.

Não suporto seu amor.
Mas você insiste em me amar.

Não suporto não te suportar.

Não te suporto tanto...
Porque te amo mais do que posso suportar.

By Fernanda de Lima

Obrigada pelas lembranças, risadas e conselhos, Pedro Marco.


xxx

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

As pessoas são tão boas quanto o mundo as deixa ser.

Título: Batman

Olá cotolengos limds and seduzemts.

Resolvi vir aqui feliz pois nos últimos tempos houveram muitas lágrimas ao meu redor, muitas frases e textos bonitos falando de jovens que morreram cedo demais. Eu escrevi algo sobre isso, escrevi em nome de todas aquelas pessoas que morreram na boate em Santa Maria e por todas as famílias que sofreram com isso, porém ao invés de publicar aqui, eu acabei de deletar todas aquelas palavras recheadas de revolta, tradicionalismo, orgulho e tristeza, resolvi esperar para postar aqui, resolvi esperar porque não queria descarregar mais infelicidade em cima de vocês e também não queria deixar meu blog mais uma vez em clima de dor e despedida. E é por isso, que eu resolvi vir aqui feliz.
Eu, Fernanda, poderia escrever sobre o quão solitária podem ser as férias ou o quão triste eu tenho estado nos últimos dias. Eu poderia conversar com vocês sobre meus sonhos perturbadores ou sobre as histórias tristes que eu vejo na televisão. Eu poderia comentar a vergonha da nossa política atual ou o salário vergonhoso dos bombeiros. Eu poderia falar sobre o Tobby, cachorro puro osso e cheio de sarna que foi deixado para morrer em lugar nenhum e que foi adotado pela minha irmã ou apenas mostrar minha indignação com as piadas que li sobre os gaúchos nas últimas semanas. Mas eu não vou, não vou porque hoje eu vim aqui feliz. Não vou porque eu escolhi ignorar tudo e todos, resolvi ser egoísta hoje. Resolvi que se alguém chegar chorando me pedindo ajuda ou se alguém me contar que eu fui traída por minhas amizades, eu vou rir. Decidi que nada vai me fazer triste hoje, nem se uma criança morrer de fome na Etiópia e o jornal noticiar isso, não, eu não vou chorar, não outra vez. Eu poderia, apenas hoje, revelar quem eu xingo usando a palavra "vocês", quem eu gostaria de atingir com isso, mas eu não vou. Estou certa de que se o mundo estivesse acabando e apenas a minha compaixão pudesse parar o processo, eu não o faria. Porque hoje eu resolvi vir aqui feliz.
Amanhã, ou depois eu posso voltar a me importar, voltar a ajudar, voltar a me revoltar, eu posso voltar a ser feliz e voltar aqui triste, de novo e de novo. Pode ser que pra vocês não faça sentido o que eu estou escrevendo, mas todas as vezes que eu vejo alguém com problema, eu esqueço de mim, eu sugo toda a dor de todo mundo e junto com a minha e isso dói muito. E eu precisei levar um tapa na cara de "vocês", precisei ser derrubada outra vez para perceber isso. Bom, mas por que nós caímos? Para aprendermos a levantar.  Então, se vocês não entendem meu ponto de vista, sinto muito, mas eu não vou explicar mais, porque hoje eu não estou me importando, hoje eu resolvi vir aqui feliz.