quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Não editei

Quero ficar aqui com a minha depressão e ninguém me deixa.
Quero chorar e sofrer porque é isso que eu sei fazer, porque é isso que a vida me ensinou a fazer.
Eu ando realmente muito triste, parece que a felicidade que sempre senti, desapareceu, sumiu. Pareço estar de passagem, e todos nós estamos, mas nesta passagem não sou vista, nem sentida por ninguém. Sinto que ninguém sente minha falta a não ser eu. Sinto que essa depressão não vai passar e que é só uma questão de tempo até eu desistir por completo.
Estou acabada. E quando digo isso, digo de coração, infelizmente.
As coisas que me fazem feliz hoje, não passam de distração.
Os momentos felizes, eu enxergo como coisas ruins porque já não gosto mais da antiga Fernanda. Nem da atual e tenho receio quanto a Fernanda do futuro, se esta chegar a existir.
E então tudo gira, tudo roda, o mundo e a minha cabeça. E? Nada.
Tudo bem. Sem problemas. Okok. Tá bom, obrigada.
Essa sou eu, muito prazer.
Compras para sair do foco. Limpeza para ignorar o foco. Eventos para não ter tempo para o foco. Artigos para esquecer o foco. Tai Chi Chuan para não pensar em nada e ser feliz, essa é uma distração que amo. Reforma? Artesanato? Colagem? Adoro, mas também é pra perder o foco.
E o foco? Tão desfocado, mas ao mesmo tempo tão claro, tão real. 
Chega, estou a ponto de escrever o que não quero, não desejo.
Chega, cansei. De novo e de novo.

terça-feira, 14 de julho de 2015

Meu jardim secreto: Porta bolsas

Bom, este é um post feliz *-*-* (Finalmente, né?)
Como já é de conhecimento geral, eu sou universitária e o tempo está cada vez mais curto. Porém, nesta semana entro em férias e está muito leve, com isso resolvi começar aos poucos as reformas do meu quarto e hoje vou mostrar um porta bolsas que fiz.
Pois bem, eis que eu comprei esse porta bolsas sem tinta alguma, nem ao menos lixado estava, custou R$ 4,00 (descobri que tem por dois em outra loja, mas tudo bem, eu supero).
Olha ele aqui embaixo:


Peguei então os materiais:
1. pincel nº 16;
Filtros de café usados;
Cola branca (normal, de escola);
1. Sacola de TNT para proteger a mesa;
1. Copo plástico descartável;
4. Esmaltes velhos e coloridos;
1. Tesoura;
Verniz incolor.

Coloquei a bolsa em cima da mesa e os materiais em cima.
Assim:

Em seguida peguei os esmaltes velhos e comecei a pintar os "ganchos".
oh, aqui:



Coloquei a cola dentro do copo plástico para ficar melhor de usar, então recortei os filtros usando a tesoura e rasgando alguns. Em seguida colei eles muito bem colados na base e por fim plastifiquei com a cola (É só pincelar a cola por cima de tudo e esperar secar, para finalizar basta passar verniz incolor e então pode lavar e molhar o quanto quiser).
Ficou assim:



E fim. Quando estiver na parede (o que eu pretendo que seja logo), vou postar aqui.
Pra quem não tem dinheiro e nem paciência para colorir o livrinho Jardim Secreto, essa é uma ótima opção de terapia. Tem ajudado no meu déficit de atenção. Em breve postarei outras coisas.
bjbjbjbjbj

domingo, 5 de julho de 2015

Mais uma vez eu estou cansada

Fico impressionada com o machismo da minha família.
Não importa quantos trabalhos acadêmicos eu tenha pra fazer, eles não ligam desde que eu limpe a sujeira deles todo dia.
Não importa quantos trabalhos eu aprove em eventos, eles não ligam desde que eles não precisem gastar nenhum centavo.
Não importa em quantas cadeiras eu passe com uma nota alta, eles realmente não ligam desde que eu tenha um "macho para me comer" e eles chamar de "genrinho".
Não importa quantas vezes eu diga que meu relacionamento acabou por falta de amor, eles sempre vão dizer que ELE me traiu, que ELE me comeu e ELE me jogou fora. É muito difícil entender que o nosso amor acabou e continuamos amigos, sem se beijar ou transar por esporte. Amizade, conhece? Então!
Eu fui virgem até quase ter 21 anos. E meu ex namorado, e atual amigo, me fez muito feliz durante um ano e dois meses de namoro e segue me fazendo feliz sendo um grande amigo. Se ele "me comeu" foi porque eu "quis dar" porque vivemos em um mundo onde as mulheres tem opinião e direito de dizer sim ou não, sabe?
Hoje tenho quase 22 anos e eu sinceramente não sinto necessidade de um homem em minha vida, porque antes de conhecer meu ex eu também não sentia essa necessidade.
Não me interessa essa vida de transar com vários ou até mesmo beijar vários, não me interessa. Assim como não me interessa ter alguém comigo no momento.
No momento estou interessada em mim e as pessoas a minha volta me olham com pena como se eu estivesse sofrendo por algo que eles acham que aconteceu. Eu estou cansada disso. Eu estou cansada dos olhares, dos sorrisos desconsertados, dos "está tudo bem?"... Eu. Estou. Cansada.
E eu precisava escrever isso em um lugar onde estou livre deles/as. Precisava conversar com quem me entende: Vocês.

Assim que essa onda de trabalhos passar e eu tiver minhas merecidas férias, vou fazer um post mostrando o que estou fazendo no meu quarto. Yey!

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Amor ao próximo

Eu vou ser professora, pretendo ser quando me formar. E eu acredito sim que educação a gente trás de casa, mas nem por isso vou deixar de passar valores aos meus alunos. Até porque eu não tive muita instrução em casa, aprendi muita coisa observando e vendo que não deveria fazer, pois isso ia contra ao que eu julgava bom. Passei esses valores ao meu irmão mais novo que hoje é uma boa pessoa com 19 anos. No meu estágio, estou tentando passar para os alunos a mesma mensagem de bondade. Eu não sou muito de divulgar meus sentimentos no facebook, pois acredito que o poder do entendimento não é muito presente naquele local, mas hoje eu compartilhei um pensamento que tenho desde sempre. Ontem alguém curtiu uma publicação de 2012 no meu tumblr e eu li, reli e refleti sobre aquilo que eu postei há três anos e que ainda compartilho daquele pensamento. Pensando em tudo isso, fiz o seguinte post:

Algo que levo para a vida e sempre gosto de pensar a respeito: Amor ao próximo.
Se eu, Fernanda, ver um assassino sofrendo, eu vou sentir dó e eu vou rezar por ele. Não uma oração católica, não uma oração evangélica ou de qualquer outra religião. Eu vou rezar do meu jeito e pedir ao meu Deus que tire o sofrimento do coração tanto do assassino como das famílias das vítimas.
"AH, mas ele é um assassino!"
Eu sei, mas também é uma vida. Eu me colocaria no lugar dele, desejaria coisas boas a ele e desejaria que suas vítimas estivessem em um lugar melhor.
"AH, mas ele não pensou nas suas vítimas, não se colocou no lugar delas!"
E é por isso que ele é o assassino e não eu.
Nós nos tornamos aquilo que desejamos a outras pessoas. Se ele fez o mal, ele deve acertar isso consigo mesmo e com seu Deus. Eu não vou me tornar uma pessoa rancorosa por causa das atitudes dos outros. Eu sou feliz desta forma, desejando o bem a todos e todas independente dos seus erros. Acredito que desejar sofrimento e morte a alguém não me faz uma pessoa melhor do que aquele que de fato fez algo ruim.
As pessoas pensam muito em justiça mascarada de preconceito e vingança. Eu não sou uma pessoa religiosa (eu nem ao menos tenho uma religião), mas eu acredito que, seja por mão divina ou por destino, nós recebemos o que damos para o mundo.

Eu não espero curtidas ou felicitações, mas apenas gostaria que as pessoas que lessem, se sentissem tocadas pelo que eu escrevo. Eu ainda vou ter coragem de enviar a alguma editora meu livro, mas enquanto esta coragem não chega, eu ainda tento tocar aos que estão a minha volta.

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Untitled

Eu não mereço isso. Não, eu não sou mais aquela menina que pensava "ah, talvez a culpa seja minha". Não! A culpa não é minha. E eu não mereço isso. Sem querer ser arrogante, mas eu sei o que eu mereço e definitivamente esta situação não se enquadra no meu perfil de merecimento. Honestamente, eu sou o tipo de pessoa que reza por pessoas desconhecidas todas as noites, que me preocupo com as pessoas, mesmo aquelas que eu não tenho convivência. Eu me preocupo. Eu me importo. Eu cuido.
Pessoas como eu, fazem o bem sem querer nada em troca, mas de certas pessoas a gente sempre espera uma consideração porque nós as consideramos mais do que qualquer pessoa, acima de qualquer coisa. Bom, pensando bem, talvez eu tenha culpa nisso: Colocar alguém acima até mesmo de mim, das minhas vontades. E isso não vale a pena. Nunca.
Mas o que fazer quando se tem um amor tão grande? Eu não sei e eu sinceramente não sei se é suficiente. Então eu choro, e choro muito, todas as noites. Às vezes sem saber o motivo, mas sempre com a mesma pessoa em mente. Talvez este seja o motivo. Talvez seja a solução.
Amar alguém é bom até certo ponto, ponto este que torna tudo errado, torto e confuso. Eu estou neste ponto. No ponto de interrogação, porém tentada pelo ponto final.


Tão bom saber que tenho onde e com quem compartilhar meus sentimentos mais profundos. Obrigada e até a próxima.

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Arco-íris

Oi, gente!
Hoje faz exatamente muito tempo que eu estou sem postar nadinha aqui e isso sempre me martirizou e deixou triste, Maaas cá estou eu novamente, gripada (só assim para os estudos e trabalhos pararem). Desta vez vim falar sobre uma experiência que tive recentemente e que acho que vale a pena postar aqui, lá vai!
Acho que já falei aqui, mas eu tenho pouquíssimos amigos heterossexuais, meu circulo de amizades sempre foi bem colorido digamos assim. No último final de semana eu fui a uma festa gay bem conhecida aqui na cidade, A Casa Rosa, que meus amigos já tinham falado e eu nunca conseguia ir. Eis que surgiu a oportunidade e eu fui com dois amigos ver como era a festa. Vocês devem estar pensando (ou não) "ah, mas é como todas as outras", mas gente, não é!
Pra começar, a festa não tem nada de mais elaborado, ela não tem lugar fixo e não lota horrores, a diferença? O pessoal. Não por serem gays (ou não pq a festa era liberada para todos os públicos), mas por serem muito divertidos e não te olharem da cabeça aos pés. A realidade das festas aqui na cidade é: Meninas de salto alto desconfortável e rebocadas até o último. Meninos usando camisa xadrez independente da temperatura. Ambos encostados em paredes por estarem bêbados, com dor ou simplesmente por estarem entediados. Não dançam pra não estragar o visual, bebem pra ver se melhora (e não melhora) e fumam pra fazer uma social. 
E eu gosto muito de dançar, não faço questão de bebida e não costumo me arrumar demais. Logo, as festas são muito tristes pra mim.
Já nessa festa, o pessoal dança muuuuito, é feliz, fuma pouco e bebe o suficiente, não tem ninguém se engolindo como nas outras festas, e eu não presenciei nenhuma briga. É o tipo de festa que tu vai embora muito triste por já ter amanhecido, nem lembra se tá com dor no pé de dançar, não se arruma pra ir e nem se importa se o cabelo está uma bosta e a maquiagem foi pro lixo. Preciso de mais motivos pra adorar a festa?!
Um pessoal muito gente boa. Apesar de ser heterossexual e ter deixado meu namorado em casa dormindo (tadinho, me deixou lá na porta da festa porque estava cansado do trabalho), ninguém faltou com o respeito e mesmo quando uma menina demonstrava interesse, elas ficavam de boa quando eu dizia que não sou gay, diferente de meninos em outras festas que chegam passando a mão e tão nem aí se tu tem namorado porque estão bêbados demais pra ouvir tu dizer NÃO!
Mas enfim, adorei a festa, adorei o pessoal, ameeeei as musicas e na próxima meu namorado vai comigo porque ele também merece essa diversão toda.
Beijos e SDDS.

domingo, 4 de janeiro de 2015

Nostalgia pra variar um pouco

Olá, gente!
Então é 2015! E eu confesso que sinto falta da perfeição que foi 2014, apesar das coisas ruins e da minha falta de tempo, foi um ano ótimo.
Fim de ano sempre vem aquela nostalgia assim como o início do ano que é quando a gente começa a pensar em todas as coisas que iremos fazer em 2015. Só que, desta vez é diferente, pois minhas aulas começam amanhã e eu estou cheeeia de trabalhos pra entregar e as provas mais importantes do semestre serão daqui até início de fevereiro.
Essa vida de adulta não está fácil pra ninguém, ainda mais se tua universidade está com o calendário desregulado como a minha está.
Mas enfim, achei um diário de bordo que escrevi em 2011 enquanto estava em Florianópolis. Não sei se já postei aqui, mas vou postar mesmo assim porque estou super nostálgica.

19.01.11, Quarta-feira, 17:24 hrs
aaff, hoje acordei e estávamos sem agua, a construção ao lado rompeu um cano ou seilá. Ela já voltou então tá bão.
Muito tédio. Tem um aniversário pra ir sexta, mas não sei se irei, já que não conheço direito a aniversariante.
Tenho saudades de tudo e de todos. Minha prima talvez venha passar uns dias aqui em Floripa e depois provavelmente voltará conosco pro Rio Grande do Sul. Espero que seja divertido, qualquer dia desses eu conto algumas das coisas que a gente costumava fazer quando tinha uns 13 ou 14 anos. Bem, talvez eu nem conte.  /17:29 hrs
02.02.11, quarta-feira, 10:31 hrs
Hoje eu estou bem extressada and entediada. Não aguento mais, sinto saudade de caminhar D;
Esses dias foi o niver da minha vó e teve uma janta. Gostei bastante. Não fizemos nada do que haviamos planejado. E no dia fomos em um supermercado, mas ele fechava na hora do almoço, então ficamos duas horas sentadas na frente esperando abrir. Uma senhora muito chata sentou no meu lado e começou a falar um monte de besteira. O mercado abriu, compramos um bolo e mais algumas coisas. Depois andamos até em casa, estava muito calor. Apesar de ter passado protetor solar, fiquei com a marca da blusa G_G
No fim correu tudo bem. Quando eu tiver mais novidades nessa viagem super movimentada (ironia.bjs) eu escrevo aqui. /10:40
14.02.2011, Segunda-feira, 19:47 hrs
Estou muito estressada. Muito mesmo. Muito, muito, muito MESMO. E nem é tpm.
Odeio que fiquem me irritando, falando, suspirando sofrimento ou qualquer outra merda pra se auto-desfavorecer.
Odeio mais ainda que façam apologia de Jesus e Deus. Parece que tudo é culpa do "demonio". Se eu quebro a unha minha vó diz que Jesus e/ou Deus vão fazer uma nova pra mim... Que uma unha nova vai nascer, eu sei. Se é Deus e/ou Jesus que vão fazer isso acontecer, duvido muito. Se isso fosse verdade, Deus seria o ser mais superficial do mundo. Enquanto tem gente morrendo em assaltos Ele tá usando o poder pra fazer minha unha nascer lentamente? Fala sério. Particularmente acredito em Deus, gosto de ir a igreja apenas para ficar lá sentada refletindo, pensando na vida quando a igreja está vazia, normalmente não rezo, mas quando o faço me sinto bem. Não tenho religião, porque não acredito na maioria das crenças delas. Não irei pro inferno por isso. Assim como não vou pro inferno por não acreditar que ele exista, rs. Vou parar de escrever besteira. Talvez eu nunca poste isso.
Hoje é o dia do amor e eu provavelmente escreva sobre isso daqui a alguns meses. Ontem foi o Grammy, mas eu não vi porque não estou em casa e aqui não tem tv a cabo, sem falar que todos os jornais esqueceram do Grammy graças ao Ronaldo que resolveu se aposentar. Mais uma coisa que me irrita, rs. Whatever, dia 20 estarei em casa de novo, em solo gaucho, na minha casa *O* /20:13 hrs
15.02.11, Terça-feira, 17:10 hrs
Que raiva, eu estava super feliz porque minha mãe foi comprar minha passagem pra voltar pra casa, mas alegria de blogueira dura pouco, minha irmã foi comprar a passagem da minha vó e só tem  pro dia 27 de fevereiro. QUE INFERNO ;@  Mais uma vez faltarei o primeiro dia de aula, não terei tempo pra nada, eu nem estarei em casa quando completar 2 anos de amizade com o Bruno. Hoje está todo mundo me irritando, eu detesto falar no telefone e essa gente fica ligando a cada 2 minutos pra pedir pra mim ligar pra alguém ou resolver problemas que não são meus. Já to chorando de raiva. Detesto perder o primeiro dia de aula, que desgraça. Vou parar antes que eu quebre o not do meu irmão ¬¬'. /17:24 hrs

Ai, que super revoltada kkkk.
Foi isso, minha gente!
Quando eu estiver de férias realmente, vou postar aqui minhas aventuras riariaria.
bjbjbj